A respeito de João Bunyan, poderoso pregador e o mais conhecido de todos os Puritanos, disse John Owen que alegremente trocaria toda a sua cultura pelo poder que Bunyan linha de tocar o coração dos homens. João Bunyan nasceu de Thomas Bunyan e de Margaret Bentley em 1628, em Elstow, perto de Bedford. Thomas Bunyan, latoeiro ou funileiro, era pobre mas não destituído de recursos. Ainda assim, na maior parte, João Bunyan não recebeu boa educação. Tornou-se rebelde e muitas vezes se punha a blasfemar. Posteriormente ele escreveu: "Era meu deleite deixar-me levar cativo pelo diabo, à sua vontade; cheio de todo tipo de iniquidade; desde criança poucos me igualavam em lançar maldições, em pragueiar, em mentir e em blasfemar o santo nome de Deus" (Works of Bunyan, ed. George Offor, 1:6). Contudo, periodos esporádicos de convicção de pecado ajudaram a restringir parte dessa rebelião.

Quando Bunyan tinha dezesseis anos de idade, sua mãe e sua Irmã morreram com um mês de diferença. Seu pai tornou a casar-se um mês depois. O jovem Bunyan alistou-se no Novo Exército Modelo de Cromwell, sendo dispensado em 1646 ou 1647. Em 1648 Bunyan casou-se com uma mulher temente a Deus, cujo nome permanece ignorado e cujo único dote foram dois livros: o de Arthur Dent, The Plain Man's Pathway to Heaven e o de Lewis Bayly, The Practice of Piety. Quando Bunyan leu esses livros, foi convencido do pecado - começou a frequentar uma igreja paroquial, parou de blasfemar e procurou honrar a separação do Domingo como dia de descanso (o Sabbath Cristão).

Depois de alguns meses, Bunyan entrou em contato com algumas mulheres cuja alegre conversa sobre o Novo Nascimento e sobre Cristo o impressionou profundamente. "Não posso expressar com que anseio e quebrantamento em minha alma clamei a Cristo que viesse ter comigo", ele escreveu.

Em 1651, Deus usou Gifford, pastor em Bedford, para levar Bunyan ao arrependimento e à fé. Bunyan foi particularmente influenciado por um sermão que Gifford pregou sobre Cantares de Salomão 4:1 - "Eis que és formosa, meu amor, eis que és formosa", como também pela leitura do comentário de Lutero sobre Gálatas, no qual ele viu sua própria experiência "retratada" grande profundamente como se o livro tivesse sido escrito "a partir do meu coração" (John Bunyan, Greaves, p. 18).


Este é um trecho da biografia de João Bunyan,do livro "Paixão pela Pureza" que pode ser adquirido aqui.

4 Responses so far.

  1. vini 2072 says:

    Mt bom me ajudo no trabalho da igleja!

    vlw msm^^

Leave a Reply